Com o objetivo de apresentar as principais tendências da alimentação e análise de seus impactos para as diferentes atividades e setores de alimentos no Brasil, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo firmou um protocolo de intenção com a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia) para o desenvolvimento do projeto “Brasil Processsed Food 2020: a Importância dos Alimentos Processados para a Sociedade Brasileira”, na manhã desta quinta-feira, (20), em são Paulo.

O protocolo foi assinado pelo secretário de Agricultura, Arnaldo Jardim e o presidente da Associação, Edmundo Klotz, para criar o projeto que servirá como instrumento capaz de proporcionar para a sociedade uma visão mais abrangente da indústria alimentar, por meio de dados técnicos e científicos, contraponto os mitos, preconceitos e acusações divulgadas sobre os alimentos processados.

“Esse documento assinado hoje é a formalização de um trabalho que já vem sendo realizado pela Secretaria com o objetivo de criar novos estudos para a produção de alimentos com qualidade, a custos menores para poder atender as necessidades da sociedade”, afirmou Arnaldo Jardim, lembrando que esse é um dos princípios do governador Geraldo Alckmin, que determinou que a Pasta trabalhasse para levar o conhecimento ao produtor rural.

“Queremos que a pesquisa tenha capacidade crítica de identificar novos caminhos, a ousadia para mudar procedimento, mas a pesquisa tem que estar em sintonia com a necessidades da sociedade”, complementou o secretário.

O Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), vinculado a Pasta, será responsável por coordenar um grupo de trabalho, que envolverá diversas entidades ligadas à cadeia produtiva de alimentos para elaborar pareceres técnicos e científicos que demonstrem a importância, a saudabilidade, a segurança, a qualidade e a sustentabilidade dos alimentos industrializados. “Tendo em vista a polêmica em torno do consumo de alimentos processados no Brasil e no mundo, o Ital acredita que existe a necessidade de oferecer à sociedade, setor privado e público um documento que esclareça a importância dos alimentos processados na alimentação da população”, destacou o diretor geral do Instituto, Luís Fernando Ceribelli Madi.

Klotz afirmou que o projeto foi criado para servir como instrumento capaz de proporcionar a sociedade brasileira uma visão mais abrangente dessa indústria, por meio de dados técnicos e científicos em contraposição aos mitos, preconceitos e acusações arbitrárias que transitam livremente na atualidade. “A indústria de alimentos é parceira da agricultura. Nós precisamos trabalhar para criar tecnologias para fomentar a produção de alimentos com qualidade e quantidades para atender a demanda nacional e internacional”.

O diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic), uma das primeiras entidades a manifestar seu apoio ao projeto, Nathan Herszkowicz, destacou a importância de desmistificar o mito de que os alimentos processados fazem mal à sociedade e ponderou que a falta de informação sem base científica para o consumidor ainda é um obstáculo a ser enfrentado pela indústria de alimentos.

O protocolo tem duração de três anos, e assinaram como testemunhas o diretor do Ital, Luís Fernando Madi; o diretor superintendente da Associação Brasileira das Empresas de Refeições Coletivas, Antônio Guimarães; o diretor técnico da Associação Brasileira de Proteína Animal, Ariel Antônio Mendes; o vice-presidente da Associação Brasileira da indústria de Embalagens Plásticas, Beni Adler; o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres, Carlos Eduardo Gouvêa; o gerente executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoito, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Insudtrializados, Edgard Sanchez; o presidente da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio, Daniel Baptistella; o diretor executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal Eduardo Daher; o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Queijo, Fábio Scarcelli; o diretor executivo da Associação Brasileira do Agronegócio, Luiz Antônio Beltrati Cornacchioni; o assessor técnico da Associação Brasileira da Indústria de Trigo, Luiz Carlos Caetano; o diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria do Café, Nathan Herszkowicz; o presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade, Renault de Castro; o gerente jurídico da Associação Paulista de Supermercados, Roberto da Silva Borges, o presidente do Sindicato da Indústria da Pesca no Estado de São Paulo, Roberto Kikuo Imai, e o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Equipamentos para Panificação, Biscoito e Massas Alimentícias, Ronaldo Ferraz Cury.

Anúncios