Público vibra com Skank em show  no Rock in Rio. Maconha é proibida, mas mensalão de novo pode, né?”, disse Samuel Rosa, vocalista da banda. A apresentação teve um pouco mais de uma hora intensa. Skank cantou 14 músicas iguais a apresentação de 2011. As diferenças foram o comentário em que compara a situação política com o consumo da maconha, e a participação dos cantores Nando Reis e Emicida. O Show iniciou às 18h30.

skankGLOBO

O discurso polêmico aconteceu depois da música “É proibido fumar”, de Roberto e Erasmo Carlos, conhecida pela interação com o público que costuma completar o refrão com “Maconha”. Na última semana o caso do mensalão teve repercussão nos principais portais de notícias nacionais e internacionais.

Samuel disse, que a banda se preocupou com uma mudança em relação ao show anterior. Mas a mudança não foi tão grande. Das 14 músicas apresentadas, dez apareceram no setlist do festival de 2011. As outras quatro diferentes foram a recente “Presença” e as antigas “Resposta”, “Tão seu” e “Te ver”.

Nando Reis, com quem também tem parceria, dividiu o palco com Skank cantando “Resposta”, uma das músicas mais aplaudidas. Em seguida encerrou o show com a “Saideira”, misturada com “Mas que nada” de Jorge Bem e “Acima do sol” cantando com a ajuda do público, que vibrava a cada refrão.

O show ainda contou com a interatividade de internautas, através de um telão 3D, posicionado atrás da banda e nas laterais do Maracanã. No final da apresentação, mais de 50 mil comentários e 105 mil curtidas foram contabilizados na página da transmissão (via youtube). Samuel agradeceu o envolvimento do público, pedindo água – Tragam água, diante dessa galera fantástica, minha saliva esgotou, obrigado a todos. Agradeceu emocionado.

Esse texto contém algumas informações fictícias com base na matéria do G1
Exercício da disciplina de Jornalismo Online
Comunicação Social – Jornalismo

Fontes: Rock in Rio G1Mensalão G1LetrasHpye Science – Maconha G1

Anúncios