A prisão de parte dos condenados no julgamento do Mensalão entre sexta-feira (15) e sábado (16) foi assunto de reportagens em diversos jornais internacionais nos últimos dias.

O jornal “The New York Times”, que acompanhou os principais pontos do julgamento, ressaltou que no Brasil é raro que políticos sejam presos mesmo após a condenação por crimes como corrupção, parcialmente devido ao sistema judicial especial. Nesta segunda, reportagem do jornal relatava os novos recursos das defesas dos condenados, e citava que o julgamento e a prisão podem abrir precedentes para que outros casos semelhantes sejam julgados no Brasil.

O espanhol “El País” tinha diversas reportagens sobre o assunto em sua página na internet nesta segunda. A principal delas relata que o ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, conseguiu fugir para a Itália, onde encontra-se foragido, pelo Paraguai. O jornal também destaca em um artigo intitulado “O silêncio democrático de Dilma e Lula”, que o ex-presidente e a atual mandatária preferiram ficar em silêncio após a emissão dos mandados de prisão – quando esperava-se que os dois pudessem criticar o supremo.

Anúncios