Neste sexto dia de festival foi a vez do Skank abriu os trabalhos no Palco Mundo. A banda mineira começou a apresentação com a música “Presença”. No meio da canção, Samuel Rosa convidou o rapper Emicida para cantar com ele. No final, o público gritou “vem pra rua, vem”, em referência aos protestos que tomaram conta das ruas do país recentemente.

Na sequência, Samuel Rosa fez a introdução: “Vamos falar do nosso tema preferido, do qual somos campeões do mundo”. Depois, puxou “Uma partida de futebol”, um dos maiores sucessos do Skank. A plateia acompanhou o refrão em coro.

“É uma grande honra estar aqui de novo”, agradece Samuel Rosa. Ele garante que “não existe banda que se acostume com isso” e elogiou a empolgação do público. Depois foi a vez de “É proibido fumar”, clássico em que o público grita “maconha” no refrão. No final da canção, o vocalista protestou: “Maconha é proibido, mas mensalão pode fazer de novo, né?”.

Durante “Jackie Tequila”, Samuel Rosa desceu do palco e circulou no meio ao público, enquanto continuou cantando. A banda cantou grandes sucessos como “Te ver”, “Jackie Tequila”, “Três Lados” e “Garota Nacional”.

Outra participação no show do Skank foi a de Nando Reis, que cantou “Resposta”. Samuel Rosa terminou a apresentação com “Tão seu”. A noite deste sábado, a sexta desta edição do festival, ainda tem Phillip Phillips, John Mayer e Bruce Springsteen no Palco Mundo.

Fonte: Pure People
Exercício da disciplina de Jornalismo Online
Comunicação Social – Jornalismo

Anúncios