Esta semana começou tensa nas redes sociais devido à troca de acusações entre religiosos e influenciadores digitais envolvendo o ataque de deixou cerca de 50 mortes e outros 53 feridos em boate voltada para o público LGBT, em Orlando, nos EUA. Com 4,9 milhões de seguidores somente no twitter, Felipe Neto protagonizou junto ao pastor evangélico e deputado Marco Feliciano um desses episódios que culminou em um debate marcado entre eles com direito a registro para o agregador de vídeo YouTube.

A confusão começou após Marco Feliciano acusar Felipe Neto e outras pessoas de incitar ódio e preconceito com a fé cristã. Segundo o pastor, representantes de movimentos LGBTs e youtubers (produtores de conteúdo da plataforma YouTube) trabalham negativamente sua imagem para milhões de pessoas, com acusações falsas e desrespeitosas. Veja a publicação:

print twitter 5 predesafio

A afirmativa do pastor gerou a reação do youtuber e de seus seguidores. Após diversas acusações entre eles, Felipe Neto fez o desafio e Feliciano aceitou, enviando informações como dia e horário publicamente. Veja:

print twitter

O debate continuou entre os seguidores dos perfis. Felipe Neto chegou a retweetar um dos comentários, no qual uma religiosa o acusa de ser um “demônio”. Veja:

print twitter 2

Nos próximos dias, o vídeo do debate deve repercutir nas redes sociais.

 

Anúncios