No último domingo,19, Kéfera Buchmann usou sua conta no twitter para mostrar sua indignação com o site YouTube, por proibir a circulação de vídeos com conteúdos LGBT.

A vlogueira, de 24 anos, utiliza da rede social, com mais de 1 milhão de seguidores, para comentar sobre diversos assuntos que acontecem no Brasil e no mundo. E nessa semana ela foi com a tag #YoutubelsOverParty, que foi entre as mais comentadas no twitter.
A razão para isso é que a plataforma estaria ocultando vídeos com a temática LGBT nos resultados de busca no modo restrito. Em teste feio pelo site do Estadão, alguns clipes foram ocultados, entre eles estão, Todo dia de Pablo Vittar, e alguns da cantora Lady Gaga, além de vídeos da Banda Uó e episódios da websérie Girls in the House.

//platform.twitter.com/widgets.js

//platform.twitter.com/widgets.js

O YouTube, que pertence ao Google, admitiu que criou um filtro para esconder conteúdo LGBT em seu site. Segundo a empresa, o modo restrito pode ser usado para filtrar vídeos potencialmente censuráveis.

Em comunicado o site se defende: “Nós pedimos desculpas por qualquer confusão que isso causou e estamos de olho nas preocupações. Aceitamos o feedback de vocês e a paixão de fazer do YouTube uma comunidade inclusiva, diversa e vibrante”.

Anúncios