Secretário-geral da ONU está preocupado com queimadas na Amazônia

foto ONIXO secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje (22) por meio de sua conta de Twitter que está “profundamente preocupado” com os incêndios na Floresta Amazônica. “No meio da crise climática global, nós não podemos esperar mais prejuízos à maior fonte de oxigênio e biodiversidade. A Amazônia dev

Força-tarefa
Nesta quinta-feira, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, confirmou que a pasta pretende criar a Força-Tarefa da Amazônia, da qual devem participar outros ministérios e entidades do governo e empresas que atuam na região. A informação foi divulgada no mesmo dia em que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) publicou edital no Diário Oficial da União para chamamento público de empresas especializadas no fornecimento diário por imagens de satélites de alta resolução espacial para geração de alertas diários de indícios de desmatamento.

O texto do edital diz ainda que o Ibama vai combater o desmatamento ilegal na Amazônia Legal de forma preventiva ou, no mínimo, contemporânea, para que seja possível interromper a ação criminosa e não permitindo a evolução e consolidação da ocorrência do ilícito.

O documento, assinado pelo diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Olivaldi Alves Borges de Azevedo, diz que a medida justifica-se pela “busca de uma solução viável e operacional para atuação mais eficiente, eficaz, efetiva e com maior celeridade na gestão das ações de fiscalização ambiental no combate ao desmatamento ilegal e exploração florestal seletiva ilegal na região Amazônica”.

Queimadas
Hoje o presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer que as queimadas na Amazônia são criminosas e que organizações não governamentais (ONGs) podem estar por trás dos incêndios. “Pode ser fazendeiro, pode, todo mundo é suspeito, mas a maior suspeita vem de ONGs”, disse, ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta quinta-feira.

O presidente ressaltou que o governo está investigando o crime, mas que não existem provas de quem está provocando as queimadas. “A Amazônia é maior do que a Europa, como vai combater incêndio criminosos nessa área? E é criminoso, mas você não vai pegar quem está tacando fogo lá, só se for em flagrante”, disse. “É um indício fortíssimo de que são ONGs. Não se tem prova disso, se vocês não pegarem em flagrante quem está queimando e buscar quem mandou”, acrescentou.

Seca e calor
O ministro Ricardo Salles sobrevoou ontem (21) à tarde algumas regiões de Mato Grosso para acompanhar o combate a queimadas no estado. Segundo o ministro, a maior parte dos focos de incêndio está localizada na área urbana. Salles destacou que, dos 10 mil hectares de área que foram queimados, cerca de 3 mil estão localizados na Chapada dos Guimarães.

Segundo o ministro, o governo federal vai apoiar todos os estados que precisarem de reforços federais em função das queimadas. Mais de mil brigadistas do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio ) estão atuando para conter as chamas em regiões críticas.

Salles destacou que o que ele verificou foi que a maior parte dos focos de incêndio é proposital, em áreas de concentração de lixo, o que é “muito ruim”. “A maior concentração de focos aqui na região está em perímetro urbano, (…) razão pela qual essa concentração de fumaça na cidade.”

Apenas na Chapada dos Guimarães, segundo o ministro, atuam 69 brigadistas do Ibama e mais de 20 membros do Corpo de Bombeiros do Estado de Mato Grosso. O fogo teria se proliferado muito rapidamente, em apenas um dia, em razão do calor, da baixa umidade e do vento forte, de acordo com o ministro.

Fonte: Agencia Brasil

Anúncios

Conselho abre processo disciplinar contra procurador que criticou STF

Fachada do Supremo Tribunal Federal

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) decidiu hoje (13) abrir um procedimento administrativo disciplinar (PAD) contra o procurador da República Diogo Castor, ex-membro da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, por causa de um artigo em que ele usou o termo “turma do abafa” numa aparente referência à Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF).

O processo disciplinar contra Castor teve início após o CNMP ser acionado pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, depois de Castor publicar o artigo no site O Antagonista em março, quando ainda integrava a Lava Jato, da qual se desligou em abril. No texto, o procurador critica a decisão da Segunda Turma do STF de enviar à Justiça Eleitoral casos de caixa dois relacionados à Lava Jato.

Após ser acionado por Toffoli, o corregedor do CNMP, Orlando Rochadel, abriu uma reclamação disciplinar contra Castor e em seguida votou pela abertura do PAD, procedimento mais grave, que pode resultar em sanções como advertência, censura ou suspensão.

O relator foi acompanhado por outros 12 conselheiros, que concordaram com a abertura do PAD, incluindo a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, presidente do CNMP. “A liberdade de expressão tem limite e é precisa verificar se isso ocorreu no caso concreto”, disse ela ao votar, nesta terça-feira, a favor do procedimento disciplinar.

O caso começou a ser julgado em junho no plenário do CNMP, quando Castor se defendeu, afirmando não ter cometido qualquer infração e que o termo “turma do abafa” não se referia a ministros do Supremo.

“Quando falo ‘turma do abafa’, isso pode ser substituído por um grupo de pessoas que querem abafar a Lava-Jato. É claro que não se refere ao órgão fracionário do STF [Segunda Turma]”, disse na ocasião.

Fonte : Agência Brasil

Médica brasileira é homenageada no Dia Mundial Humanitário

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) homenageia, no Dia Mundial Humanitário, comemorado hoje (19), mulheres que atuam em áreas de conflito no mundo inteiro. Entre as homenageadas está a médica brasileira Nádia Rudneck, especializada em trauma e emergência. Atualmente, Nádia faz mestrado em ação humanitária internacional e atua como cirurgiã em um hospital militar no Sudão do Sul, onde é a única mulher da equipe. Ela integra o Comitê da Cruz Vermelha e diz que pretende continuar a desenvolver ações humanitárias.

“Eu vejo que para pacientes do sexo masculino não muda se você é mulher ou homem. Mas sinto que com pacientes do sexo feminino, elas provavelmente se sentem um pouco mais confortáveis em ter uma médica, cirurgiã, do mesmo sexo que elas”, afirma.

Ouça na Rádio Nacional:

A data, criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), é comemorada para mostrar a importância de quem deixa casa e família para ajudar pessoas em situação de risco.

O Dia Mundial Humanitário coincide com a data do ataque terrorista contra a sede da ONU em Bagdá, no Iraque, que feriu 150 funcionários e matou 22. Uma das vítimas foi o diplomata brasileiro e então chefe do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Sergio Vieira de Mello.

Segundo o CICV, o trabalho humanitário é fundamental em áreas de conflito, principalmente para atender mulheres, que em geral são afetadas de forma desproporcional, vítimas de ameaças ou violência sexual.

De acordo com dados do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur), em todo o mundo, 132 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária devido a conflitos, repressões e desastres naturais. Metade desse grupo é representado por meninas e mulheres que diariamente enfrentam discriminação e violência.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Senacom investiga coleta de dados de geolocalização pelo Google

Logotipo do Google é exibido dentro de um prédio de escritórios em Zurique, Suíça.

A Secretaria do Consumidor (Senacom) do Ministério da Justiça notificou o escritório do Google no Brasil sobre possíveis violações à privacidade e a proteção de dados pessoais dos usuários de serviços do conglomerado no Brasil.

Os técnicos da secretaria querem avaliar uma “possível captura indevida de dados de usuários sobre geolocalização”. A intenção é apurar se a coleta dos registros das localizações e dos deslocamentos dos usuários de serviços do Google ocorreu sem o consentimento dessas pessoas.

A preocupação envolve os usuários do sistema operacional de smartphones Android, um produto do Google. A obtenção dos registros de geolocalização sem o consentimento adequado configura, segundo a assessoria do Ministério da Justiça, uma violação aos direitos de personalidade.

“Dados como geolocalização (que, a princípio, teriam sido obtidos em sua forma bruta) permitem uma série de usos, tais como direcionamento de publicidade (o que implica dizer: comercialização), profiling [criação de perfis] de pessoas, para as mais diversas finalidades (lícitas ou nem tanto). Enfim, precisamos obter informações sobre as circunstâncias desses fatos para nos posicionar sobre eles”, explicou a assessoria do órgão à Agência Brasil.

Uma investigação realizada pela agência de notícias estadunidense Associated Press em 2018 apontou que o Google continuava rastreando a movimentação dos usuários, mesmo quando estes desligavam essa funcionalidade no aparelho celular, o que evitaria a gravação do histórico de deslocamento.

O Google tem até 10 dias para apresentar seus esclarecimentos e comentários sobre os questionamentos da Secretaria. Por meio de sua assessoria, a empresa afirmou à Agência Brasil que “prestará os devidos esclarecimentos em resposta à notificação extraída da averiguação preliminar enviada pela Secretaria Nacional do Consumidor”.

Fonte:Agência Brasil

Polícia é suspeita de usar a área para ocultar corpos de vítimas

A Polícia Civil localizou hoje

policia_civil_tania_rego-arquivo_agencia_brasil
Polícia Civil do Espírito Santo faz paralisação até a meia noite do dia 8 de setembro (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

(22) mais um cemitério clandestino, durante ação de policiais da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, em conjunto com o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado, no bairro Parque Sarandi, em Queimados.

Os agentes encontraram três corpos e uma motocicleta enterrados no local. De acordo com a polícia, o cemitério é suspeito de ser utilizado para ocultar corpos de vítimas da milícia conhecida como Caçadores de Gansos, que atua na região.

Os corpos foram levados ao Instituto Médico Legal (IML) para identificação e perícia técnica. A Polícia Civil e o Ministério Público investigam homicídios relacionados às vítimas encontradas no local.

Os agentes chegaram até o cemitério com base em denúncia anônima de que a localidade seria usada pela milícia Caçadores de Gansos. Um dos líderes é Carlos Luciano Soares da Silva, o Macaco Louco, que está foragido e indiciado em diversos inquéritos por crimes de homicídio.

Prisão
A milícia Caçadores de Ganso era comandada pelo vereador do município de Queimados Davi Brasil Caetano (Avante). De acordo com o Ministério Público estadual, o parlamentar, preso no dia 18 do mês passado, também é policial militar reformado, e foi investigado em 2017 pelo Ministério Público. Atualmente exercia o papel de liderança do grupo. Ele fazia a coordenação de todos os outros integrantes, inclusive foi responsável por expandir essa milícia que começou no condomínio Ulysses Guimarães.http:

Fonte: Agência Brasil

Onyx: europeus usam discurso ambiental como barreira ao Brasil Ministro diz que governo tem se esforçado no combate ao desmatamento

ê

Onyx - europeus usam discurso ambiental como barreira ao Brasil
O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante entrevista à imprensa no Palácio do Planalto, sobre as empresas públicas que serão incluídas na lista de privatização até o final do ano.               (Valter Campanato/Agência Brasil)

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse hoje (22) que países europeus usam o discurso ambientalista como forma de estabelecer barreiras à produção brasileira. “Nós não podemos ser ingênuos. Os europeus usam questão do meio ambiente por duas razões: a primeira, para confrontar os princípios capitalistas. Porque desde que caiu o Muro de Berlim e fracassou a União Soviética, uma das vertentes para as quais a esquerda europeia migrou foi a questão do meio ambiente. E a outra coisa, para estabelecer barreias ao crescimento e ao comércio brasileiro de bens e serviços”, disse após participar de evento organizado pelo grupo Voto.

Segundo o ministro essa estratégia já foi usada no passado e as informações sobre a floresta usadas pelos países estrangeiros são exageradas. “Desmata, sim, mas não no nível e no índice que é dito. Além do que nós vamos esquecer que durante os anos 1980, 1990 e 2000 a febre aftosa foi usada como mecanismo de proteção para o mundo para evitar exportações de carne e grãos brasileiros?”, questionou.

“O Brasil cuida e muito bem do seu meio ambiente”, enfatizou. De acordo com Lorenzoni, os órgãos competentes têm se esforçado para conter o desmatamento. “A Polícia Federal, o Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis], todos estão cumprindo com o seu papel. Não há país no mundo que tenha a cobertura vegetal e florestal que o Brasil tem”, afirmou.

Imagens de satélite
Hoje, o Ibama publicou edital para o chamamento público de empresas especializadas no fornecimento diário por imagens de satélites de alta resolução espacial para geração de alertas diários de indícios de desmatamento.

O documento diz que a medida justifica-se pela “busca de uma solução viável e operacional para atuação mais eficiente, eficaz, efetiva e com maior celeridade na gestão das ações de fiscalização ambiental no combate ao desmatamento ilegal e exploração florestal seletiva ilegal na região Amazônica”.

Fonte: Agência Brasil

Netflix ganha novo recurso para evitar que você cancele sua assinatura

netflix

São Paulo – A Netflix ganha nesta semana um novo recurso nos seus aplicativos para TVs: uma área que mostra os próximos lancamentos.

Os aplicativos da empresa já tinham a seção chamada “Em breve” nos smartphones, mas agora a função chega aos apps para televisões em nível global.

A novidade é parte da estratégia da empresa de manter seus assinantes informados sobre os próximos lançamentos. Desse modo, é possível estar ciente sobre a chegada de novas temporadas de seriados que você acompanha ou sobre filmes que você deseja assistir.

Quem estiver considerando o cancelamento da assinatura pode até repensar a atitude ao saber que poderá assistir a filmes e séries de seu interesse se mantiver o pagamento da mensalidade.

No último trimestre, a Netflix reportou a perda de assinantes pela primeira vez nos Estados Unidos desde 2011.

A guerra dos serviços de transmissão de filmes e séries via Internet esquentou nos últimos meses. Disney e Apple estão para entrar nesse mercado e a última temporada do seriado americano Game of Thrones atraiu assinantes para o app HBO Go.

A Netflix teve séries da Marvel canceladas e a permanência de conteúdos da Disney, Marvel, Pixar e Star Wars ainda é uma incerteza diante do lançamento do concorrente Disney+, em novembro deste ano. Pioneira, a Netflix agora busca não só reter seus usuários, mas continuar a crescer em nível global.

Fonte: Exame

Relatório tem mais de 900 denúncias de agressão a presos no Rio

Levantamento da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro mostra que, em um período de 10 meses, três pessoas por dia denunciaram terem sido agredidas física ou psicologicamente após prisão em flagrante.

O estudo abrange os meses de agosto de 2018 a maio deste ano e contabiliza 931 relatos de agressão. Parte dos relatos foi denunciada durante audiências de custódia.

O estudo será apresentado hoje (2) no Seminário pelo Fim da Tortura, que ocorre na sede do órgão, no centro do Rio de Janeiro.

Policiais militares foram apontados como os agressores em 82% dos casos denunciados, com 687 denúncias. Policiais civis seriam os agressores em 60; guardas municipais e agentes penitenciários, em 15; e militares do Exército, em 14.

Segundo os denunciantes, 760 agressões ocorreram no local da prisão em flagrante, enquanto 36 teriam sido cometidas já nas delegacias. A unidade prisional e a viatura policial também figuram entre os locais com mais denúncias, com 19 e 13 casos, respectivamente.

A defensora pública Mariana Castro afirmou que os números apontam para a necessidade de mudanças na formação dos policiais militares e do combate à lógica de guerra contra o crime. “Isso inclui um discurso de relativização dos direitos do inimigo.”

Lesões aparentes
Os dados registram que as denúncias de agressão física somam 869 casos, incluindo 399 de socos, 432 de chutes, 312 de tapas no rosto e 70 de utilização de sacos plásticos para sufocamento. Há ainda relatos de pauladas, pisões, choques, cortes e queimaduras.

Em 57% dos casos, as agressões deixaram lesões aparentes que podiam ser identificadas no momento da audiência de custódia.

Há ainda 311 casos que incluem denúncias de violência psicológica, entre os quais foram registrados relatos de ameaças de morte (130) e arma apontada para a cabeça (72).

A defensora pública alerta que existe na sociedade e nas instituições uma naturalização estrutural de agressões como parte das prisões.

“Isso perpassa inclusive o poder judiciário e o próprio ministério público, que muitas vezes não tratam esses casos com um olhar de enxergar a gravidade que eles traduzem”, disse a defensora.”Essas situações são tratadas como comuns e até talvez esperadas em uma situação de prisão e de combate ao crime. Existe na sociedade em geral uma ideia de que isso faz parte.”

Mariana Castro conta que, mesmo quando há exames de corpo de delito comprovando as agressões, muitas vezes os juízes não entendem que a tortura macularia a legalidade do flagrante, o que, segundo ela, está previsto pela legislação e tratados internacionais.

“Seria importante que o judiciário e o ministério público enviassem a mensagem de que, se o individuo for torturado na prisão em flagrante, aquele flagrante é nulo e vai ser perdido”, ressaltou. Ela informou que os casos relatados são encaminhados ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.

Perfil dos agredidos
A Defensoria Pública também conseguiu identificar no levantamento que as agressões são mais frequentes contra pretos e pardos, seguindo a categorias de raça do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dois grupos somam 82,6% dos casos, enquanto os brancos sofreram 17% das agressões denunciadas.

“Existe, sim, um viés racial. É como se, de fato, em uma visão racista, que é muito arraigada na sociedade, estrutural e muitas vezes inconsciente, o negro é visto como um sujeito de menos direitos.”

Entre cada quatro possíveis vítimas de agressão, três não tinham o ensino fundamental completo. Ao todo, foram 590 pessoas com esse nível de escolaridade entre os agredidos, enquanto, na outra ponta, em três casos pessoas de nível superior completo relataram ter sofrido violência. Também foi levantado que 97% das vítimas dos supostos casos de agressão são homens, enquanto 2,8% são mulheres.

O respaldo de parcelas da sociedade a esse tipo de violência, na visão da defensora, passa por uma falsa ideia de que é possível relativizar os direitos de um grupo de cidadãos sem que os direitos de todos sejam atingidos.

“Ainda que a pessoa seja acusada de um crime, ela não pode ser despojada de seus direitos. ela não perde seu status de indivíduo titular de direitos”, lembra Mariana Castro.”As pessoas muitas vezes esquecem que quando você flexibiliza os direitos de um, para que os seus direitos sejam flexibilizados, é um passo. As coisas vão em escalada. As pessoas sempre acham que os direitos delas não vão ser flexibilizados, o que não é verdade”.

Procurada pela Agência Brasil, a Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro afirmou que não compactua com qualquer desvio de conduta ou excessos cometidos por policiais. “A Corregedoria da PM apura com extremo rigor todas as denúncias que caminhem nesse sentido, assim como se mantém integralmente à disposição para colaborar com todos os procedimentos apuratórios conduzidos pelas esferas judiciais”, disse a nota, que também informa os contatos da Corregedoria da Polícia Militar que estão à disposição dos cidadãos: o Whatsapp (21) 97598-4593, o telefone (21) 2725-9098 ou e-mail denuncia@cintpm.rj.gov.br.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária disse que apura todas as denúncias recebidas. “Caso sejam comprovadas as informações, um processo de sindicância é iniciado pela Corregedoria. Ressaltamos que a Seap repudia, com veemência, qualquer ato de violência realizado dentro das unidades prisionais.”.

Em nota,o Comando Militar do Leste informou não poder se pronunciar enquanto não tiver acesso ao relatório da Defensoria Pública, o que foi pedido hoje.

O Tribunal de Justiça informou que “não se manifesta sobre quaisquer declarações pessoais emitidas, até porque, seu conteúdo pode vir a ser objeto de questionamento oficial na Justiça”.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) esclarece que os números computados pelo Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais (CAO Criminal/MPRJ) mostram que “desde 2018, houve queda dos casos suspeitos de maus tratos na Central de Benfica, que compreende o chamado Grande Rio e responde por mais de 70% dos custodiados no Estado do Rio em 2019”.

E completa: “para computar um caso como passível de investigação por maus tratos, o CAO Criminal/MPRJ leva em conta o comando do Protocolo de Istambul, que determina que todos os casos em que hajam notícias concretas ou fundadas da prática de tortura devem ser investigados”.

Em nota, a Guarda Municipal do Rio informa que abriu nove sindicâncias envolvendo servidores da instituição, a partir de denúncias recebidas pela Defensoria Pública. Do total de processos, dois já foram concluídos, e nada ficou comprovado contra os agentes. Sete processos continuam em andamento na Corregedoria, diz a nota.

Matéria atualizada às 19h para acréscimo da posição do Tribunal de Justiça; às 19h30 para incluir posicionamento do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro; e, ás 19h59, com a inclusão de nota da Guarda Municipal

Fonte : Agência Brasil

 

Senacom investiga coleta de dados de geolocalização pelo Google

GOOGLE
Logotipo do Google é exibido dentro de um prédio de escritórios em Zurique, Suíça.

A Secretaria do Consumidor (Senacom) do Ministério da Justiça notificou o escritório do Google no Brasil sobre possíveis violações à privacidade e a proteção de dados pessoais dos usuários de serviços do conglomerado no Brasil.

Os técnicos da secretaria querem avaliar uma “possível captura indevida de dados de usuários sobre geolocalização”. A intenção é apurar se a coleta dos registros das localizações e dos deslocamentos dos usuários de serviços do Google ocorreu sem o consentimento dessas pessoas.

A preocupação envolve os usuários do sistema operacional de smartphones Android, um produto do Google. A obtenção dos registros de geolocalização sem o consentimento adequado configura, segundo a assessoria do Ministério da Justiça, uma violação aos direitos de personalidade.

“Dados como geolocalização (que, a princípio, teriam sido obtidos em sua forma bruta) permitem uma série de usos, tais como direcionamento de publicidade (o que implica dizer: comercialização), profiling [criação de perfis] de pessoas, para as mais diversas finalidades (lícitas ou nem tanto). Enfim, precisamos obter informações sobre as circunstâncias desses fatos para nos posicionar sobre eles”, explicou a assessoria do órgão à Agência Brasil.

Uma investigação realizada pela agência de notícias estadunidense Associated Press em 2018 apontou que o Google continuava rastreando a movimentação dos usuários, mesmo quando estes desligavam essa funcionalidade no aparelho celular, o que evitaria a gravação do histórico de deslocamento.

O Google tem até 10 dias para apresentar seus esclarecimentos e comentários sobre os questionamentos da Secretaria. Por meio de sua assessoria, a empresa afirmou à Agência Brasil que “prestará os devidos esclarecimentos em resposta à notificação extraída da averiguação preliminar enviada pela Secretaria Nacional do Consumidor”.

Domínio
O Google é um dos maiores conglomerados de tecnologia do mundo. O grupo controla o mais popular sistema de buscas do planeta, de mesmo nome, além do sistema operacional líder em smartphones, Android, em mais de 2,5 bilhões de aparelhos.

É prática comum a pré-instalação do aplicativo de localização, o Google Maps. Contudo, a localização de um smartphone pode ser configurada por seu dono nas propriedades do aparelho, em configurações do Android e do Google Maps. Além do Google Maps, a companhia também é proprietária do Waze, outra aplicação popular de localização.

Fonte: EBC

Bolsonaro: aumento de queimadas na Amazônia pode ser ação criminosa

Bolsonaro discursa a respeito das queimadas na Amazônia (Antônio Cruz/ Agência Brasil)
O presidente Jair Bolsonaro, cumprimenta populares e fala à imprensa no Palácio da Alvorada (Antônio Cruz/ Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (21) que o aumento de queimadas registrado nos últimos dias na Amazônia pode ser resultado de ação criminosa. Para o presidente, as ações podem ser uma reação à suspensão de repasses do governo para organizações não governamentais (ONGs) e a também de verbas de países para o Fundo Amazônia, projeto de cooperação internacional para preservação da floresta. Os principais países doadores do fundo, Alemanha e Noruega, anunciaram a suspensão de seus repasses após a divulgação das taxas de desmatamento na região.

O crime existe e temos que fazer com que esse crime não aumente. Mas nós tiramos dinheiro de ONGs, repasses de fora, dos quais 40% iam para ONGs, não tem mais, acabamos com repasses de órgão públicos para ONGs, de modo que esse pessoal está sentindo a falta do dinheiro. Então, pode estar havendo ação criminosa desse ‘ongueiros’ para chamar atenção contra a minha pessoa, contra o governo do Brasil. Essa é a guerra que estamos enfrentando. Não estou afirmando, mas no meu entender, há interesse dessas ONGs que representam interesse de fora do Brasil.

Para Bolsonaro, as doações ao Fundo Amazônia, assim como o incentivo à demarcação de terras indígenas e ao aumento de áreas de reserva ambiental, são formas de “comprar à prestação a nossa soberania”.

As demarcações não são para proteger o índio, mas para deixar intacta a maior parte possível dessa área para que, no futuro, outros países venham nos explorar aqui. Você acha que é coração muito grande desses países em ajudar? Ele não querem ajudar, todo mundo sabe que não tem amizade entre países, tem interesses. O que nós temos na região amazônica o mundo não tem. O mundo cresce 70 milhões de habitantes por ano, esse pessoal precisa de algo para se alimentar, para evoluir e vem de onde a matéria-prima? Dessa área.

Combate ao fogo

O Bolsonaro destacou que as equipes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) estão atuando na Amazônia contra as queimadas e que as Forças Armadas devem reforçar o combate com as equipes locais, assim como a Força Nacional deve enviar 40 homens para a região. “É um crime, o governo não está insensível para isso. Mas temos uma guerra acontecendo no mundo contra o Brasil, a guerra da informação”, disse, ressaltando que o governo vai investigar os responsáveis por esse crime.