O Armadillo-T poderá revolucionar o mundo do automobilismo (Foto: Reprodução)
Projetado e fabricado pelos sul coreanos, Armadillo-T, é um veículo elétrico em seu funcionamento. O seu principal atrativo é de se dobrar simulando um tatu.O carro pode transportar até duas pessoas e atinge em sua capacidade máxima 60km por hora e com uma carga completa em suas baterias Armadillo-T poderá se deslocar por até 100km do seu local de partida.Quando utilizado, o automóvel se torna um 4×4 com quatro motores, um em cada roda, acionados por um conjunto de baterias de íons de lítio de 13,6kWh.O carro pesa 450 kG, Seu tamanho é de 2,8 metros de cumprimento e com sua peculiaridade esse tamanho se reduz para 1,65 metros, facilitando assim seu estacionamento.O veículo não consegue se enrolar como o tatu-bola, na verdade ele se encolhe agindo diferente do pequeno animal,ergue sua parte traseira que avança sobre a dianteira e por seu um veículo eco eficiente reduzirá a emissão de carbono e ajudará o meio ambiente.
O Armadillo
Apesar de não ser tão rápido, com suas baterias carregáveis pode percorrer até 100km.
O projeto do protótipo apresentado no salão do automóvel em Bruxelas teve apoio do governo sul coreano, pelo ministério da terra, infraestrutura e transporte e pela agência de infraestrutura tecnológica da Coréia e foi projetado e fabricado pelo instituto avançado da ciência e tecnologia(KAIST). O veículo também pode ser manuseado através de um controle remoto acionado pelo celular, permitindo manobrar a distância, incluindo fazê-lo girar 360º graus, se chegar a ser comercializado terá como concorrente o veículo Espanhol ¨Hikiro¨ e custará em torno de 12,5 mil euros o que dá uma bagatela de 60 mil reais o equivalente aproximado de um carro popular zero km aqui no Brasil.

Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino

O Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino ou ainda Brasileirão Feminino – Série A1 é a liga brasileira de futebol feminino profissional entre clubes do Brasil disputada desde 2013, sendo a principal competição futebolística do país. É através dela que é indicado o representante brasileiro para a Copa Libertadores da América. A competição é organizada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Em 2013, a Confederação Brasileira de Futebol, em parceria com a Caixa Econômica Federal, organizou a primeira edição do Campeonato Brasileiro, com a participação das 20 melhores equipes do Ranking da CBF de Futebol Feminino.

Em 2017, a Confederação Brasileira de Futebol alterou a fórmula de disputa da competição, tendo reduzido a 1ª divisão de 20 para 16 times e criado a Série A2, também com 16 equipes. A ampliação no Campeonato Brasileiro foi acompanhada pelo cancelamento da Copa do Brasil de Futebol Feminino.

Em 2019, a Band adquiriu os direitos de transmissão da CBF.

Historicamente, os times paulistas dominam a disputa, tendo vencido 6 das 7 edições já realizadas (com 5 times campeões: Centro Olímpico, Corinthians, Ferroviária, Rio Preto e Santos). Além disso, os times paulistas também são responsáveis por todos os títulos do Brasil na Copa Libertadores de Futebol Feminino (com 5 times campeões: Audax, Corinthians, Ferroviária, Santos e São José-SP). Curiosamente, Audax e São José-SP são campeões continentais, mas nunca venceram o Campeonato Brasileiro (tendo se classificado para a Libertadores ao vencer a extinta Copa do Brasil de Futebol Feminino).

Fonte: Wikipedia

National Women’s Soccer League

National Women’s Soccer League (em português: Liga Nacional de Futebol Feminino) é uma liga profissional de futebol feminino dos Estados Unidos. Organizada pela Federação de Futebol dos Estados Unidos é considerada a principal e mais importante liga de futebol feminino do país. A NWSL foi criada em 2012 como uma sucessora da Women’s Professional Soccer (WPS) (2007-2012), que foi ela própria sucessora da Women’s United Soccer Association (WUSA) (2001-2003), a primeira liga de futebol feminino criada no país em 2001.  A liga começou seus jogos em 2013 com oito times, quatro dos quais eram ex-membros da Women’s Professional Soccer. Com a adição de mais dois times em Houston e Orlando e com a saída do Boston Breakers, a liga conta hoje com um total de nove times.[3]

Desde sua temporada inaugural em 2013, quatro times diferentes foram campeões da liga e quatro foram campeões da temporada regular. O atual campeão da liga é o North Carolina Courage, que também é o atual campeão da temporada regular (NWSL Shield). O Courage foi o primeiro time na história da liga a ganhar ambos os títulos em 2018 e repetiu a façanha em 2019.

Fonte: Wikipedia

Futebol nos Jogos Olímpicos

O futebol foi o segundo esporte coletivo a entrar oficialmente nos Jogos Olímpicos, atrás apenas do polo aquático, em 1908. A competição é oficialmente chamada pela Federação Internacional de Futebol de Torneio Olímpico de Futebol.

O torneio masculino é a única modalidade olímpica a “restringir” a participação de atletas. Isso porque a FIFA teme que o torneio olímpico de futebol possa competir em importância com a Copa do Mundo. Por outro lado, o Comitê Olímpico Internacional tem receio que as outras competições entrem em caráter secundário para a mídia, ofuscadas pelas grandes estrelas dos gramados. Por conta dessa “restrição”, o torneio masculino é a competição de futebol mais imprevisível, com medalhas conquistadas por países como Japão (bronze em 1968), Gana (bronze em 1992), Nigéria (ouro em 1996, prata em 2008 e bronze em 2016), Camarões (ouro em 2000), Chile (bronze em 2000) e Coreia do Sul (bronze em 2012).

Por outro lado, o Brasil, maior ganhador de Copas do Mundo, com cinco títulos, conquistou sua primeira medalha de ouro em 2016, tendo obtido anteriormente as medalhas de prata em 1984, 1988 e 2012 e de bronze em 1996 e 2008. Reunificada em 1990, a atual seleção da República Federal da Alemanha jamais conquistou a medalha de ouro. Outra grande potência da modalidade com quatro títulos mundiais, o país classificou-se para o torneio pela primeira vez em 2016, edição na qual conquistou a medalha de prata. A extinta Alemanha Oriental, socialista e de futebol amador, conquistou o ouro em 1976, na época do chamado “amadorismo de fachada” dos países do Leste Europeu, ganhou também uma prata e um bronze; enquanto isso a antiga Alemanha Ocidental, capitalista e com seu futebol profissional teve rendimento pequeno: conseguiu apenas uma medalha de bronze, em 1988. Nas Olimpíadas de 1964, os dois países competiram esportivamente unidos com o nome de Alemanha Unificada, mas na modalidade futebol foi representada pela Alemanha Oriental, que ficou com a medalha de bronze. Alemanha Ocidental e Oriental tinham federações de futebol diferentes e independentes.

A partir de 1996, o futebol feminino também é disputado, com dominância dos Estados Unidos da América, que esteve presente em todas as finais até 2012 e só não levou o ouro em 2000, perdendo para a Noruega. Na edição de 2016, pela primeira vez, as norte-americanas não disputaram medalhas. Elas foram superadas pela Suécia nas quartas de final, na disputa de penalidades. Com a seleção americana eliminada, e a Noruega fora do torneio, a Alemanha se sagrou a terceira campeã do torneio. Desde que o torneio feminino foi incluído no programa olímpico, nunca houve uma dobradinha – ou seja, o mesmo país conquistar a medalha de ouro tanto no masculino quanto no feminino. O país que chegou mais perto foi a Alemanha, que em 2016 conquistou o ouro no feminino e a prata no masculino.

Fonte: Wikipedia

Copa do Mundo de Futebol Feminino

Copa do Mundo de Futebol Feminino é a competição mais importante no futebol feminino internacional. Organizado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA), o órgão controlador do esporte, o torneio da Copa do Mundo foi realizado pela primeira vez em 1991.

O torneio reúne atualmente 24 seleções femininas a cada quatro anos, para competir pelo campeonato mundial feminino desse esporte. A Copa do Mundo de Futebol Feminino surgiu como ideia dos delegados da FIFA durante a Copa do Mundo de 1986, no México. Um dos mais famosos momentos do torneio e talvez da história do esporte, foi quando Brandi Chastain tirou sua camisa e deslizou de joelhos, mostrando seu sutiã esportivo na comemoração de um pênalti convertido que decidiu a final contra a China em 1999.

As Copas do Mundo Femininas de 1999 e 2003 foram ambas celebradas nos Estados Unidos; em 2003 a China deveria sediar a competição mas foi movida por causa da epidemia de SARS. Como compensação, a FIFA manteve a classificação automática da China para a edição de 2003 e o país asiático ganhou automaticamente o direito de sediar a competição quatro anos depois em 2007.

Na Copa do Mundo de Futebol Feminino realizada em 2011, na Alemanha, o título do Japão marcou a primeira conquista de uma seleção asiática na história do torneio. Na edição de 2015, no Canadá, o número de seleções participantes aumentou de 16 para 24. A partir da edição de 2023, na Austrália e Nova Zelândia, o número aumentará para 32 seleções.

Fonte: Wikipedia

As Dificuldades do Futebol Feminino no Brasil

No Brasil, o futebol feminino vem ganhando força nos últimos tempos após muitos anos de luta e desigualdade.

Apesar de possuir uma matéria-prima de ótima qualidade, a Seleção Brasileira ainda não conquistou os principais títulos: Copa do Mundo e uma medalha de ouro nas Olimpíadas.

Os motivos para isso são vários e vão além da esfera esportiva. A falta de apoio, estrutura, um campeonato competitivo e preparação sempre pesaram contra as brasileiras quando duelavam com as outras potências da modalidade. Hoje, mesmo com uma melhoria, o futebol feminino brasileiro ainda está alguns degraus abaixo de outros países como Estados Unidos, França, Noruega, Alemanha e Canadá, por exemplo.

Alguns passos importantes para que o Brasil se torne novamente protagonista estão sendo tomados. A recente igualdade nas diárias pagas ao futebol masculino, duas divisões de bom nível no Campeonato Brasileiro, estruturação nas categorias de base é um projeto bem definido e com mulheres envolvidas.

Time feminino do arsenal comemorando um gol

Diante dessas melhorias, uma ainda não foi colocada em prática no cenário nacional. O futebol feminino precisa ser visto como um negócio rentável e não como uma caridade feita pelos clubes.

No Brasil, as agremiações que jogam as Séries A e B são obrigadas a ter um time feminino e muitas dessas equipes não dão o apoio, a estrutura e o suporte necessário para exercer a profissão. Inclusive, muitos dirigentes tratam como um gasto sendo que as meninas podem ser um ativo completamente rentável aos cofres do clube e “se pagarem” sem retirar dinheiro de outro lugar.

Partida de futebol feminino na Europa

Para isso, a diretoria dos clubes precisam profissionalizar todo o setor de futebol, marketing e comunicação voltado ao futebol feminino como é feito no masculino.

Em países como Inglaterra, Estados Unidos e Espanha, a liga é sucesso de público nos estádios, de audiência nas TVs e de patrocínio fazendo com que o futebol feminino nesses países sejam altamente rentáveis para todos os envolvidos.

 

Fontes: Folha de São Paulo, Premier League Brasil e globo.com

Exercício 2

O Armadillo-T é um minicarro elétrico dobrável, pode levar duas pessoas e atingir uma velocidade máxima de 60 km/h. Uma carga completa das baterias dá uma autonomia de 100km. Ele é carro elétrico verdadeiramente 4×4, com quatro motores, um dentro de cada roda,acionados por um conjunto de baterias de íons de lítio de 13,6 kWh. Ele foi pensando ao observar o crescimento das cidades pois o espaço à disposição dos cidadãos parece diminuir na mesma proporção. Grande parte do problema é causada pelos carros, que exigem grandes espaços para trafegar e, mais ainda, para ficarem parados.

O minicarro tem tamanho original de 2,8 metros de comprimento, reduz-se para 1,65 metro. Não se preocupe em ficar preso dentro do carro dobrado. Um controle remoto acionado por celular permite manobrar o Tatu à distância, incluindo fazê-lo girar 360 graus. Assim, o usuário não precisa ser bom de manobras: é só descer do carro, dobrá-lo e ver se ele cabe no espaço disponível, tudo manipulando a tela do celular.

A apresentação do modelo aconteceu em Bruxelas, na Bélgica, na sede da Comissão
Europeia. Apesar de ainda ser um modelo em escala controlado por controle remoto, de
acordo com seus criadores, as 20 primeiras unidades de verdade do carrinho deverão ser produzidas especificadamente para um serviço de compartilhamento de automóveis. Caso o cidadão faça questão de ter um Hiriko só para chamar de seu deverá esperar até 2022 e desembolsar a bagatela de 12,5 mil euros, o equivalente a R$ 60 mil e ainda não tem uma data certa para ser lançado no Brasil.

Atividade 2

O carro-tatu-bola (Armadilho-T) é criado para facilitar estacionamento na Coreia. (Foto: Reprodução)

Projetado e fabricado pela Coreia do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia (KAIST), o Armadilho-T é um minicarro elétrico dobrável inspirado no tatu bola. O projeto de pesquisa foi apoiado pelo Governo Coreano, pelo Ministério da Terra, Infraestrutura e Transportes e pela Agência de Infraestrutura Tecnológicas da Coreia.

Para facilitar a vida de milhares de motoristas que disputam espaços nas vias, ruas e locais para estacionar nas grandes cidades, engenheiros sul-coreanos encontraram uma solução para resolver este problema que aflige e impacta a sociedade. O nome e a inspiração vieram do tatu-bola da caatinga brasileira, que tem as características de se enrolar para se proteger de seus predadores.

Com a capacidade de levar duas pessoas, o minicarro pode atingir uma velocidade máxima de 60km/h. (Foto: Reprodução)

O atrativo do modelo é a sua capacidade de se dobrar como se fosse um tatu (em inglês, armadilho), levando toda a traseira do veículo para caber em qualquer vaga. O “Armadilho-T” passa de seus 2,8 metros originais para 1,65. Como a sua traseira fica por cima de toda a frente do carro, ele não possui espelhos laterais, usando câmeras para visão lateral.

O veículo eco eficiente também vai reduzir as emissões de carbono, e os seus criadores dizem que será de fácil manoseio, pois através de um toque no smartphone permite manobrar o Tatu à distância, incluindo fazê-lo girar 360 graus. O carro de 450 kg vazio tem capacidade de transportar duas pessoas, percorrer 100 km a energia de uma carga de dez minutos, e atinge os 60 km/hora. Uma carga completa das baterias dá uma autonomia de 100 km.

É a solução para o grande trânsito de veículos das grandes cidades, economia e principalmente respeito ao meio ambiente.

Atividade II Joelma

carro_eletrico_armadillo_t_530
O Armadilho-T é criado para facilitar estacionamento na Coreia. (Foto: Reprodução)

Minicarro elétrico dobrável é lançado na Coreia
Protótipo, inspirado no tatu-bola, pode ser estacionado em pequenos espaços via smartphone
O Armadillo-T é um minicarro elétrico dobrável que foi projetado e fabricado pela Coreia, no Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia (KAIST), o Armadillo-T é um veículo elétrico em pleno funcionamento, que convenientemente se dobra em si mesmo quando estacionado para ajudar a economizar espaço. O atrativo do modelo é a sua capacidade de se dobrar como se fosse um tatu (em inglês, armadillo), levantando toda a traseira do veículo para caber em qualquer vaga. Os engenheiros do Instituto de Ciências e Tecnologias Avançadas da Coreia do Sul, veem o carro O Armadillo-T como uma inovação na hora de estacionar por ele ter a capacidade de se dobrar ele irá facilitar a vida do, usuário na hora de estacionar.
Projetado e fabricado pela Coreia do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia (KAIST), o Armadillo-T é um veículo elétrico em pleno funcionamento, que convenientemente se dobra em si mesmo quando estacionado para ajudar a economizar espaço. O atrativo do modelo é a sua capacidade de se dobrar como se fosse um tatu (em inglês, armadillo), levantando toda a traseira do veículo para caber em qualquer vaga.
O carro não consegue exatamente se enrolar – na verdade, ele encolhe agindo exatamente ao contrário do que faz o tatu-bola, erguendo sua parte traseira, que avança sobre a dianteira. É a solução para o grande trânsito de veículos das grandes cidades, economia para o bolso e respeito ao meio ambiente.

O projeto de pesquisa foi apoiado pelo governo coreano, pelo Ministério da Terra, Infraestrutura e Transportes e pela Agência de Infraestrutura Tecnológica da Coreia e apresentado a imprensa em agosto passado. Como a traseira fica por cima de toda a frente do carro, ele não possui espelhos laterais, usando câmeras para visão lateral. Se o Armadillo-T chegar às ruas, ele vai encontrar um concorrente: o espanhol Hiriko.
Fica estranho, mas o tamanho original do minicarro, que tem 2,8 metros de comprimento, reduz-se para 1,65 metro. Carro elétrico dobrável é inspirado no tatu-bola. Dobrado, o carro-tatu-bola passa de seus 2,8 metros originais para 1,65, cabendo em qualquer canto.
Os usuário não precisam se preocupar em ficar preso dentro do carro dobrado. Um controle remoto acionado por celular permite manobrar o Tatu à distância, incluindo fazê-lo girar 360 graus.
Assim, o usuário não precisa ser bom de manobras: é só descer do carro, dobrá-lo e ver se ele cabe no espaço disponível, tudo manipulando a tela do celular. Quando desdobrado e em movimento, o Armadillo-T é um carro elétrico verdadeiramente 4×4, com quatro motores, um dentro de cada roda, acionados por um conjunto de baterias de íons de lítio de 13,6 kWh.
A colocação dos motores nas rodas é uma opção tecnicamente muito eficiente, além de facilitar a “dobradura” do carro-tatu. Com 450 kg vazio, o Armadillo-T pode levar duas pessoas e atingir uma velocidade máxima de 60 km/h. Uma carga completa das baterias dá uma autonomia de 100 km.

Exercício 2

Foi lançado no salão do automóvel de Bruxelas o Armadillo-T, um mini carro elétrico que tem como principal funcionalidade o fato de “dobrar” quando estacionado, isso se deve ao fato dele erguer a sua traseira avançando sobre a dianteira, reduzindo seu tamanho de 2,8 metros de comprimento para 1,65 metro de comprimento.

O veículo foi desenvolvido por engenheiros do Instituto de Ciências e Tecnologias Avançadas da Coreia do Sul, com a premissa de usar pouco espaço nos estacionamentos facilitando tanto a vida do dono quanto dos outros motoristas, essa “dobradura” é baseada em animais como o tatu bola.

O Armadillo-T quando dobrado pode chegar a 1,65 metro

Logo após, o projeto foi aprovado e apoiado pelo governo coreano, mais precisamente Ministério da Terra, Infraestrutura e Transportes e pela Agência de Infraestrutura Tecnológica da Coreia para só então ser apresentado à imprensa e ao público em agosto. Ele não possui espelhos laterais, usando câmeras para visão lateral, caso o Armadillo-T chegar às ruas, ele vai encontrar um concorrente: o espanhol Hiriko.

 

 

 

 

Ao contrário do animal ele não consegue exatamente se enrolar na verdade, ele encolhe agindo exatamente ao contrário do que faz o tatu-bola, erguendo sua parte traseira, que avança sobre a dianteira, assim não havendo espaço para a utilização de espelhos retrovisores.

Além disso o protótipo apresenta uma outra funcionalidade, um controle remoto acionado por celular que permite o motorista usar o veículo a distância com isso o usuário pode girar o veículo em 360º facilitando a sua manobrabilidade, como exemplo podendo estacionar o Armadillo-T mesmo estando fora dele.

Quando desdobrado e em movimento, o Armadillo-T é um carro elétrico verdadeiramente 4×4, com quatro motores, um dentro de cada roda, acionados por um conjunto de baterias de íons de lítio de 13,6 kWh. O carro pesa 450KG pode transportar até 2 passageiros, com carga completa sua autonomia de 100km, atingindo 60km/h de velocidade máxima.

Armadillo-T em seu tamanho normal de 2,8 metros

Apesar de ser um modelo controlado remotamente em larga produção, a princípio 20 unidades do modelo foram fabricadas, para um serviço de compartilhamento de carros, caso algum cidadão queira um exemplar do Armadillo-T, terá que esperar até 2022 e desembolsar 12,5 mil euros, aproximadamente R$ 60mil.

Exercício 2

A apresentação do Armadillo-T aconteceu em Bruxelas, na Bélgica, na sede da Comissão Europeia. O modelo do carro foi inspirado no animal tatu-bola, que possui a característica de se enrolar, o automóvel não consegue exatamente se enrolar, ele encolhe agindo exatamente ao contrário do que faz o tatu-bola, erguendo sua parte traseira, que avança sobre a dianteira.

O tamanho original do minicarro, que tem 2,8 metros de comprimento, reduz-se para 1,65 metro. Quando desdobrado e em movimento, o Armadillo-T é um carro elétrico verdadeiramente 4×4, com quatro motores, um dentro de cada roda, acionados por um conjunto de baterias de íons de lítio de 13,6 kWh. A colocação dos motores nas rodas é uma opção tecnicamente muito eficiente, além de facilitar a “dobradura” do carro-tatu. Uma carga completa das baterias dá uma autonomia de 100 km.

O carro foi projetado com o intuito de reduzir o número de metros quadrados que os automóveis estacionados ocupam nas cidades. O grande diferencial é a capacidade de se “dobrar” e assim economizar espaço. Um controle remoto acionado por celular permite manobrar o Tatu à distância, incluindo fazê-lo girar 360 graus. Assim, o usuário não precisa ser bom de manobras, é só descer do carro, dobrá-lo e ver se ele cabe no espaço disponível, tudo manipulando a tela do celular.

Segundo seus criadores, as 20 primeiras unidades de verdade do carrinho deverão ser produzidas especificadamente para um serviço de compartilhamento de automóveis. Caso o cidadão faça questão de ter um Hiriko só para chamar de seu deverá esperar até 2022 e desembolsar a bagatela de 12,5 mil euros, o equivalente a R$ 60 mil.

Aqui vc escreve um título

Aqui o conteúdo

Integre seu site com as redes sociais para publicar seu conteúdo e direcionar o tráfego para o seu site automaticamente. Integre seu site com as redes sociais para publicar seu conteúdo e direcionar o tráfego para o seu site automaticamente. Integre seu site com as redes sociais para publicar seu conteúdo e direcionar o tráfego para o seu site automaticamente. Integre seu site com as redes sociais para publicar seu conteúdo e direcionar o tráfego para o seu site automaticamente.

Integre seu site com as redes sociais para publicar seu conteúdo e direcionar o tráfego para o seu site automaticamente. Integre seu site com as redes sociais para publicar seu conteúdo e direcionar o tráfego para o seu site automaticamente. Integre seu site com as redes sociais para publicar seu conteúdo e direcionar o tráfego para o seu site automaticamente.

 

 

Confira os jogos da quarta fase da Copa do Brasil desta quarta-feira (16) e quinta-feira (17)

A Copa do Brasil, a competição mais democrática do país, está de volta nesta quarta-feira (16) com a primeira rodada da quarta fase, tendo encerramento na quinta-feira (17). Lembrando que os estádios seguem com portões fechados devido as medidas protetivas a saúde por causa da pandemia do Coronavírus. Os torcedores poderão acompanhar os jogos pelos meios de comunicação: TV, rádio e Internet.

Foto: Reprodução/Internet.

No Moisés Lucarelli, em Campinas-SP,  a Ponte Preta recebe o América-MG do técnico Lisca, às 19:00 horas (Horário de Brásilia).

O Fluminense duela contra o Atlético-GO, às 21:30 (Horário de Brasília), no Maracanã, no Rio de Janeiro. No mesmo horário, no estádio Augusto Bauer, em Santa Catarina, o Brusque-SC enfrenta o time do Ceará que vem embalado após vitória contra o Flamengo pelo Brasileirão, no último domingo (13).

Nessa quinta (15), o Juventude-RS encara o CRB, às 16 horas (Horário de Brasília), no Alfredo Jacnoni, em Caxias do Sul-RS . Um pouco mais tarde, às 19 horas, no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro, o Botafogo pega o Vasco da Gama.

As equipes que jogam a Copa Libertadores: Athlético-PR, Corinthians-SP, Flamengo-RJ, Grêmio-RS, Internacional-RS, Palmeiras-SP, Santos-SP e São Paulo-SP, entram nas oitavas de final juntamente com os 11 times que avançarem pela quarta fase da Copa do Brasil. O Fortaleza-CE também entra nessa fase da competição, devido a conquista da Copa do Nordeste 2019.

Fonte: GE, Gazeta Esportiva, Estadão.

Novo modelo automotivo adaptável é anunciado na Coreia do Sul – Exercício 2

A apresentação do modelo aconteceu em Bruxelas, na Bélgica, na sede da Comissão Europeia, o diferencial do veículo é a capacidade de se reduzir para economizar espaço a proposta foi anunciada por engenheiros do Instituto de Tecnologias Avançadas da Coreia do Sul.

O Armadillo-T é um minicarro elétrico dobrável 4×4 com quatro motores acoplados dentro de cada roda acionados por um conjunto de baterias de íons de lítio de 13,6 kWh. Com 450 kg vazio, o veículo comporta duas pessoas e pode atingir uma velocidade máxima de 60 km/h, uma carga completa das baterias dá uma autonomia de 100 km.

O modelo originalmente foi pensado especificamente para um serviço de carros compartilhados com 20 unidades de protótipo controlados a distância por sinal remoto de celular, capacitando o usuário a realizar manobras complexas com um simples toque na tela do smartphone, por exemplo, comandar o veículo para manobrar em rotação de 360°.

A previa de lançamento para o público é para 2022 e o valor de mercado se aproxima da quantia de 13 mil euros.

A inspiração para o design e utilidade partiu do movimento defensivo do tatu-bola que quando ameaçado se retrai e assume um formato compacto semelhante ao de uma bola.

Embora o movimento de redução que o Armadillo-T é capacitado a fazer não seja idêntico ao do animal o modelo se baseia na habilidade de adaptação do tatu para superar as adversidades da natureza.

Igualmente adaptável as adversidades os engenheiros utilizarão seu conhecimento ao projetar o modelo inserindo os motores em cada roda aumentando a capacidade de redução de tamanho do veículo.

exercício 2 Engenheiros Criam Carro do Futuro. Armadilho-T é um veículo dobrável que estará disponível a vendas no valor de R$60mil em 2022.

Baseados na estética do tatu engenheiros do Instituto de Ciências e
Tecnologias Avançadas da Coreia do Sul inovam na criação de um minicarro
chamado Armadillo-T que é um modelo elétrico com o diferencial de ser um
veículo dobrável. O modelo estará disponível a vendas apenas em 2022 e seu
valor será de 12,5mil euros, o equivalente a R$ 60 mil.
A característica dobrável desse veículo é explicada como uma forma de
tornar mais prática a vida do motorista do futuro, pela facilidade de estacionar o
minicarro e entrar em pequenos espaços com ele. Porém o carro não consegue
exatamente se enrolar como um tatu, na verdade ele encolhe fazendo
exatamente o contrário do que faz o tatu bola pois o automóvel encolhe
erguendo sua parte traseira, que avança sobre a dianteira.
O tamanho original do Armadillo-T é de 2,8 metros de comprimento e ele
é capaz de reduzir-se para 1,65 metros. Ele possui um controle remoto que
pode ser acionado por celular e permite que o mesmo possa ser manobrado a
distância, incluindo a capacidade de fazê-lo girar a 360°.
Quando desdobrado e em movimento esse automóvel é um carro
elétrico 4×4, que possui quatro motores, um dentro de cada roda que são
acionados por um conjunto de baterias e íons de lítio de 13,6 kWh. Permitindo
velocidade máxima de 60 à 100 km/h e suportando como quantidade máxima
de carga dois passageiros.

Atividade 2

Visando o futuro das grandes cidades, ontem segunda-feira (14), os engenheiros do Instituto de Ciências e Tecnologias Avançadas da Coreia do Sul propuseram um projeto de um mini carro elétrico dobrável. A apresentação do modelo Armadillo-T aconteceu em Bruxelas, na Bélgica, na sede da Comissão Europeia.

O grande diferencial do veículo é a capacidade de se “dobrar” erguendo sua parte traseira, que avança sobre a dianteira. Assim, economizando espaço quando está estacionado. Desse modo, o tamanho original de 2,8 metros de comprimento, reduz-se para 1,65 metro.

Com espaço para duas pessoas, atingindo uma velocidade de 60 km por hora. Além, de possuir uma autonomia de 100 Km com carga completa das baterias, possuindo quatro motores, um dentro de cada roda, que facilitam sua “dobradura”, um conjunto de baterias de lítio de 13, 6 Kwh, e um controle remoto acionado por celular que permite manobra-lo à distância, incluindo fazê-lo giro 360 graus, devido a isso tudo, o carro sai na bagatela de 12,5 mil euros equivalente a R$ 60 mil.
Convém salientar, que o nome e a inspiração do minicarro vieram do tatu, mais especificamente do tatu-bola, que tem a característica de se enrolar para se proteger de predadores
Vale ressaltar, que de acordo com seus criadores, as 20 primeiras unidades do carro deverão ser produzidas especificadamente para um serviço de compartilhamento de automóveis. Assim, se o cidadão faça questão de ter um Hiriko só para chamar de seu ele deverá esperar até 2022.

ONU pode ficar sem nomes para os furacões devido à grande incidência

Foram tantas as tempestades tropicais no Atlântico este ano que a ONU, responsável por nomeá-las, está ficando sem nomes pela segunda vez na história.

Desde 1953, as tempestades tropicais no Atlântico recebem um nome a partir de listas elaboradas pelo Centro de Nacional de Furacões dos Estados Unidos e depois por um comitê internacional da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Inicialmente, as listas incluíam apenas os primeiros nomes de mulheres. Em 1979 foram introduzidos os nomes masculinos e agora se alternam com os femininos. Seis listas com 21 nomes são utilizadas, uma atrás da outra.

“Seria confuso ter mais de um ciclone tropical no mesmo ano com a letra T”, explica uma porta-voz da OMM à AFP.

A temporada de tempestades tropicais no Atlântico deste ano, que termina em 30 de novembro, foi tão ativa que a ONU em breve ficará sem nomes e terá que recorrer às letras do alfabeto grego: Alfa, Beta, Gama, Delta e assim sucessivamente.

Como explica a OMM, o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos alertou, ontem, de ao menos outros cinco furacões previstos no Atlântico, um recorde desde 1971, chamados Paulette, René, Sally, Teddy e Vicky, o último da lista.

Segundo a OMM, há uma área de baixa pressão perto de Cabo Verde e 50% de probabilidade de um ciclone ser formado nas próximas 48 horas.

Os ciclones começaram a ser nomeados há anos para facilitar sua identificação nas mensagens de alerta.

Os especialistas pensaram que os nomes eram muito mais fáceis de lembrar do que os antigos e complicados métodos de identificação de latitudes e longitudes.

Inicialmente, as tempestades eram nomeadas arbitrariamente. Agora, seus nomes obedecem a toda uma série de regras: devem ser facilmente reconhecíveis e refletir um equilíbrio entre os nomes franceses, espanhóis, holandeses e ingleses devido à cobertura geográfica das tempestades em todo o Atlântico e Caribe.

Se um ciclone é particularmente mortal ou devastador, seu nome é eliminado da lista e substituído por outro.

Este foi o caso de tempestades infames como Mangkhut (Filipinas, 2018), Irma e Maria (Caribe, 2017), Katrina (Estados Unidos, 2005) e Mitch (Honduras, 1998).

Fonte: Bol Notícias.

Pela 2ª vez na história, Atlântico Norte tem 5 ciclones ao mesmo tempo

Estamos no pico da temporada de furacões de 2020. Isso fica claro quando se observa o Oceano Atlântico Norte, que tem hoje cinco ciclones ativos ao mesmo tempo. É a segunda vez na história que isso acontece.

A última vez que houve registro de tal ocorrência – com furacões, tempestades tropicais ou depressões tropicais – no Atlântico Norte foi em 1971.

Os cinco sistemas são o furacão Paulette, o furacão Sally, a tempestade tropical Teddy, a tempestade tropical Vicky e a depressão tropical Rene.

Paulette

O furacão Paulette tocou o solo nessa segunda-feira (14) em Bermudas. Ainda que o sistema esteja se afastando da ilha, as condições do fenômeno continuam afetando o território. É provável que os ventos fortes e as chuvas intensas permaneçam durante toda a tarde.

“As tempestades causadas pelo Paulette afetam partes das ilhas de Sotavento, Grandes Antilhas, Bahamas e Estados Unidos”, informou o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC, em inglês). “Essas tempestades podem causar ondas que ameaçam a vida e condições de correntes de ressaca.”

Também espera-se que o Paulette siga ganhando força à medida que avança em direção ao Atlântico aberto. O sistema pode atingir o status de grande furacão, com ventos de ao menos 178 km/h (categoria 3), nesta quarta-feira (16). 

Se isso acontecer, será o segundo furacão a chegar a essa categoria na temporada 2020. No geral, a época de furacões do Atlântico costuma ter uma média de três grandes furacões ao todo.

Rene

A depressão tropical Rene, que chegou a ser uma tempestade tropical no fim de semana, continuará perdendo força conforme avança pelo Oceano Atlântico central. Ela deve se dissipar nos próximos dois dias, sem afetar gravemente algum território.

Sally

Neste momento, o furacão Sally se dirige a noroeste através do Golfo do México. Já há retirada obrigatória de pessoas em curso nas áreas baixas ao longo da Costa do Golfo dos EUA.

A previsão é que o Sally toque solo nesta terça (15) ou quarta-feira (16) em algum lugar perto da fronteira entre os estados norte-americanos de Louisiana e Mississippi. O NHC adverte que as pessoas que se encontram ao longo da costa não devem focar nos detalhes específicos da rota do fenômeno, e sim no impacto geral da tempestade.

O maior risco do furacão Sally é a perigosa quantidade de água que pode causar. O NHC adverte que pode haver “tempestades e inundações repentinas de risco mortífero”. A agência prevê de 2 m a 3,3 m de tempestade desde foz do rio Mississippi até a cidade de Ocean Springs. 

Em algumas regiões, são esperados até 60 cm de chuva, o que pode provocar inundações perigosas.

Teddy

A tempestade tropical Teddy está hoje no Atlântico central, a mais de 1,6 mil km a leste das Pequenas Antilhas. Espera-se que ela se transforme nos próximos dias. Se isso acontecer, Teddy será o oitavo furacão da temporada 2020 no Atlântico, após o Sally – que evoluiu para furacão nessa segunda, de acordo com o NHC.

Para o fim de semana, a previsão é que o Teddy se torne um grande furacão (de categoria 3 ou mais) à medida que se aproxima de Bermudas. 

Vicky 

A tempestade tropical Vicky está atualmente sobre o Atlântico oriental, a centenas de quilômetros a oeste das ilhas de Cabo Verde. 

Espera-se que Vicky encontre condições desfavoráveis nos próximos dias, o que limitará seu crescimento e intensificação para esta terça, dissipando-se até sexta-feira, informou o NHC.

Fonte: CNN Brasil.

Atividade II

Engenheiros do Instituto de Ciências e Tecnologias Avançadas da Coreia do Sul aprasentam o Armadillo-T, um minicarro elétrico dobrável. Em um mundo que é dominado por carros, o tatu-T é um veículo eco eficiente que não vai só reduzir as emissões de carbono, mas também ajudar a diminuir a quantidade de espaço necessário para estacionar um veículo.

Projetado e fabricado pela Coreia do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia (KAIST), o Armadillo-T é um veículo elétrico em pleno funcionamento, que convenientemente se dobra em si mesmo quando estacionado para ajudar a economizar espaço. O atrativo do modelo é a sua capacidade de se dobrar como se fosse um tatu (em inglês, armadillo), levantando toda a traseira do veículo para caber em qualquer vaga.

O carro não consegue exatamente se enrolar – na verdade, ele encolhe agindo exatamente ao contrário do que faz o tatu-bola, erguendo sua parte traseira, que avança sobre a dianteira. É a solução para o grande trânsito de veículos das grandes cidades, economia para o bolso e respeito ao meio ambiente.

O projeto de pesquisa foi apoiado pelo governo coreano, pelo Ministério da Terra, Infraestrutura e Transportes e pela Agência de Infraestrutura Tecnológica da Coreia e apresentado a imprensa em agosto passado.  Como a traseira fica por cima de toda a frente do carro, ele não possui espelhos laterais, usando câmeras para visão lateral.

Fica estranho, mas o tamanho original do minicarro, que tem 2,8 metros de comprimento, reduz-se para 1,65 metro. Carro elétrico dobrável é inspirado no tatu-bola.  Dobrado, o carro-tatu-bola passa de seus 2,8 metros originais para 1,65, cabendo em qualquer canto com um controle remoto acionado por celular permitindo manobrar o Tatu à distância, incluindo fazê-lo girar 360 graus.

Assim, o usuário não precisa ser bom de manobras: é só descer do carro, dobrá-lo e ver se ele cabe no espaço disponível, tudo manipulando a tela do celular. Quando desdobrado e em movimento, o Armadillo-T é um carro elétrico verdadeiramente 4×4, com quatro motores, um dentro de cada roda, acionados por um conjunto de baterias de íons de lítio de 13,6 kWh.

A colocação dos motores nas rodas é uma opção tecnicamente muito eficiente, além de facilitar a “dobradura” do carro-tatu. Com 450 kg vazio, o Armadillo-T pode levar duas pessoas e atingir uma velocidade máxima de 60 km/h. Uma carga completa das baterias dá uma autonomia de 100 km.

Chegada do furacão Sally preocupa moradores do sul dos EUA

oradores da Louisiana e do Mississippi se preparam pra a chegada do furacão Sally, que deve tocar o solo dos Estados Unidos nesta terça-feira (15). Autoridades de ambos os estados emitiram ordens para que habitantes de determinadas áreas mais próximas do Golfo do México deixassem suas casas.

O Sally ganhou status de furacão na tarde desta segunda (14), e, por enquanto, está na categoria 2. O Centro Nacional de Furacões alerta que se trata de um fenômeno “extremamente perigoso” e que ventos podem chegar a 155 km/h.

A rota do Sally indica que Louisiana e Mississippi merecem mais atenção. Ainda assim, há alertas para fortes ventos e tempestades também na Flórida.

O governador do Mississippi, Tate Reeves, alertou que o estado deverá se preparar para aumento no volume de chuvas para os próximos dias. E o governador da Louisiana, John Bel Edwards, pediu uma declaração federal de desastre e aconselhou que as pessoas no caminho do Sally deixem suas casas.

Meteorologistas alertam para o aumento no número de tempestades e furacões no Atlântico Norte nesta temporada. Imagem divulgada pela Administração Nacional de Atmosfera e Oceanos (NOAA, na sigla em inglês) mostra cinco fenômenos do tipo chegando ao Caribe e à América do Norte nesta segunda-feira.
Fonte: G1.