Início

Uma história de empreendedorismo, conheça um pouco mais da Delicious dindim gourmet!

Deixe um comentário

 

Anúncios

Mosteiro dos Jesuítas: De escola interna à mosteiro reconhecido no exterior

Deixe um comentário

Mosteiro dos Jesuítas- Baturité

O município de Baturité está entre as cidades com maior turismo religioso do estado. Entre os pontos turísticos, se destaca a Antiga Escola Apostólica dos padres Jesuítas de Baturité, mais conhecida como Mosteiro dos Jesuítas, que completou 95 anos do início das construções do local, no último sábado (03). Localizado na zona rural do município, acolhe pessoas de outras localidades para admirar local por trás da antiga escola interna para jesuítas.

O Mosteiro fica a 104km de Fortaleza, o clima frio e os constantes ventos são características costumeiras do local. Durante o percurso, as ruas inclinadas e esburacadas podem ser uma dificuldade, mas ao chegar ao destino, terá acesso a vista de toda cidade de Baturité e adjacências.

Entrando pelas escadarias da entrada do mosteiro, terá a visão de um pequeno monumento ao meio de um lago, em um jardim de formato circular espalhado de variadas flores e beija-flores recepcionando os visitantes. O jardim possui caminhos que levam aos corredores e alguns quartos da pousada.

O responsável pela construção do mosteiro foi o Comendador Ananias Arruda, que em 1921, doou o sítio “Olho D’água” ao padre jesuíta Antônio de Oliveira Pinto e no ano seguinte, os dois anexos do sítio: o “Jordão Mendes” e o “Caridade”. A partir de então, iniciou o transporte de materiais sob a ponte do rio Aracoiaba.

Com a doação, os jesuítas descobriram que o sítio Caridade possui uma enorme região composto por água, banana e café. Assim, eles produzem o próprio café e doces para venda e sustento dos moradores. Esta prática ainda ocorre nos dias de hoje.

No dia 3 de dezembro de 1922, a Pedra Fundamental foi benzida pelo então arcebispo de Fortaleza, Dom Manuel da Silva Gomes. A pedra foi retirada das ruínas da antiga escola para índios e o ponto de apoio de missionários localizado em Aquiraz, que devido a expulsão dos jesuítas do estado em 1748, levou a destruição do abrigo. No ato, compareceram várias figuras políticas, empresários, imprensa e população.

Junto a Pedra Fundamental, no terreno preparado para a construção, foram colocadas moedas em circulação, um exemplar do jornal “A Verdade”, e um pergaminho no qual o redator chefe do jornal “O Nordeste”, Dr. Andrade Furtado, lavrou uma ata histórica da cerimônia que foi assinada pelo Arcebispo, Comentador Arruda, Padre Antônio, Monsenhor Manoel Cândido dos Santos e Dr. Abner Vasconcelos, e dentre outros.

A inauguração da escola foi em 1927, com a parte leste concluída. De acordo com um dos administradores do mosteiro, Irmão David, a construção foi iniciada de leste a oeste em uma área de 110 metros de frente e 78 ao fundo, mas por falta de recursos, não foi possível completar. Contudo, os jesuítas pensaram em ampliá-lo pelos fundos.

O administrador destacou sobre as pessoas que moravam na escola. “Antigamente, moravam muitos padres e irmãos, porque aqui era um seminário menor, a formação inicial dos jesuítas, que eram os noviços, os juniorados e os alunos também”.

Em 1962, a escola deixou de funcionar e ficou conhecido como “Mosteiro de Jesuítas” e atualmente, está na administração do Padre Acrízio, o Irmão David e pelo Irmão Almeida.

O mosteiro funciona como uma pousada, visitação, eventos e retiros para o público. As pessoas podem visitar o local com uma quantia de R$2,00 por pessoa, como forma de manutenção e pagamento dos funcionários. Além de ponto de visitação, também é possível se hospedar em suas instalações que custa em torno de R$145,00 a diária, incluindo café da manhã, almoço e jantar.

Os retiros são definidos em 3 tipos. Os chamados Inacianos são para padres, freiras, religiosos e leigos, que terão a experiência do silêncio, oração e espiritualidade. Os retiros gru são feitos através das paróquias, agendando a data do ano para fazer o evento. O último seria o individual, podendo também agendar o dia, o orientador entregará um material para reflexões e participar das atividades dos jesuítas.

O conjunto de belezas e curiosas sobre a antiga escola fez chamar atenção não apenas das pessoas, mas também do Papa Francisco. Em 2015, conforme afirmado no portal online do Diário do Nordeste, ele demonstrou interesse em visitar o mosteiro de Baturité, enfatizando a beleza cearense no exterior.

Dindim Gourmet, a novidade do momento!

Deixe um comentário

Quem nunca saboreou um dindin que ficou com vontade de chupar mais um? Você já ouviu falar no dindim Gourmet? Aquele dindin feito à base de produtos de primeira qualidade, com chocolates deliciosos, ingredientes que fazem a diferença no paladar, e que até o cliente mais exigente aprova, que se duvidar são mais gostosos que o próprio sorvete. Apresento a vocês o Robson Mateus, o proprietário da Delicious dindin gourmet. O nosso pequeno empreendedor, começou vendendo mousse, mas logo teve a ideia de partir para o dindin, tendo em vista a familiaridade do público com o produto. A família toda se mobiliza para ajudar o jovem comerciante, ele fica com a parte principal que é vender o produto e comprar os ingredientes, ah e na hora de amarrar o saco do dindin, segundo ele tem uma peculiaridade que só a sua tia sabe, amarrar bem o saco, do dindin é claro. Robson, fala com entusiasmo do seu produto, “atendemos a um público super exigente, vem gente até de outros bairros a procura do nosso dindin, já recebi até pedidos para eventos, e uma cliente solicitou o meu CNPJ, ainda somos bem pequenos, mas temos muita vontade de trabalhar”, “toda essa receptividade dos clientes me deixa muito contente, e me dar força para continuar aquilo que fazemos com amor e que segundo os clientes, é delicioso”. “Temos os principais sabores que são: baton, ninho com nutella, oreo, ovo Maltine, morango com nutella, mas também tem o de açaí e maracujá”. O Davi Cardoso, que já chupou o Dindim do Robson, aprova o produto, segundo ele, o sabor é espetacular, ele diz que prefere o de ninho com nutella, e acha o preço bem acessível, o valor de R$: 2,50 para o produto. E o Robson, o homem do dindim, deixa uma mensagem para todos vocês, “acreditem nos seus sonhos, e tenham a certeza que você chegará lá, lute e tenha fé, que você vence”. E ai você, ficou com vontade de saborear um dindim gourmet? procura a Delicious dindim gourmet, segundo o Robson, “quem chupa um, sempre quer outro, é a qualidade que faz a diferença”, palavras do nosso jovem guerreiro, que com muita luta, trabalha para fazer a diferença na nossa sociedade. E que o exemplo da história do Robson, possa motivar outros novos empreendedores a criar oportunidades em mundo tão competitivo.

Centro Cultural Dragão do Mar desperta o interesse dos turistas com sua programação gratuita

Deixe um comentário

O Instituto Dragão do Mar lança revista contando um pouco de sua própria historia (Foto: Camila da Silva)

 

90% da programação do Dragão do Mar são gratuitas, o intuito é despertar o interesse das pessoas nas inúmeras programações culturais que lá são ofertadas.

O Centro Cultural Dragão do Mar um dos polos turísticos que mais recebem turistas na cidade de Fortaleza, recebe cerca de 1,5 milhão de visitantes por ano. Situado em um dos mais boêmios bairros de Fortaleza, a Praia de Iracema, o ponto turístico tem atraído muitas pessoas por sua programação cultural 90% gratuita de terça a domingo.

O paraense Herman Sousa, 31anos que veio a Fortaleza para fazer uma prova de concurso, estava encantado com a cidade e disse ter sido atraído para o Dragão do Mar a partir do site do instituto recheado de programação cultural gratuita. “O lugar é lindo, arquitetura bem peculiar que nos remete ao nordeste, o sertão e as pessoas acolhedoras, a programação do lugar também é bem interessante, vou aproveitar para conhecer melhor o Ceará” diz.

Mais um passeio pelo lugar e é possível encontrar muitas pessoas tirando self ou simplesmente da visão geral da cidade lá de cima da ponte vermelha. Gente de todo lugar, de longe e também de perto que nunca havia pisado no Centro Dragão do Mar. O local era todo ocupado, praça verde, anfiteatro, o planetário, museu de arte e cultura cearense, o teatro, para onde se olha se vê o Dragão ocupado.

Dentro desta perspectiva de programação cultural a diretora de comunicação do Centro Cultural Dragão do Mar Isabel Andrade explica melhor e diz: “A programação do Instituto Dragão do Mar faz parte de uma política de ação cultural, essa política funciona através dos editais de ocupação, onde tem uma série de proponentes que compõe a cena artística do Ceará. Que são artistas que passaram ou não pelos centros de formação do Dragão do Mar. E cerca de 10% da programação é pauta paga”.

A valorização cultural local aparece bem presente no Centro Cultural e quando se fala sobre novidades para o ano de 2018 a diretora revela o projeto revista Dragão do Mar idealizado pelo presidente diretor do Instituto Paulo Linhares. “A revista vai responder algumas questões, irá falar sobre quem foi Chico da Matilde o Dragão do Mar, vai contar a história do bairro de Iracema, vamos falar do Artista de arte visual Zé Tarcísio que é um artista cearense importante, textos de vários autores cearenses, vai tratar das diversas linguagens artísticas que são abordadas no Dragão. Será uma revista que terá um pouco de tudo e está ficando bem interessante.” Conta.

O lançamento da revista será em Janeiro de 2018 e  terá divulgação

nas redes sociais e na programação do Centro Cultual Drag

ão do Mar.

Francisco José do Nascimento, mais conhecido como Chico da Maltide, um jangadeiro lutar das causas abolicionistas (Foto: Darline Abreu)

HISTÓRIA DO CENTRO CULTURAL DRAGÃO DO MAR

O Dragão do Mar foi idealizado, em 1993, pelo então Secretário da Cultura do Ceará e atual Presidente do Instituto Dragão do Mar, o jornalista e antropólogo Paulo Linhares, e o Governador do Estado do Ceará, Ciro Gomes. Inaugurado em 28 de abril de 1999, este ano completou sua maior idade. Sua arquitetura arrojada foi pensada pelos cearenses Delberg Ponce de Leon e Fausto Nilo.

O nome do centro é em homenagem a Francisco José do Nascimento, o Chico da Matilde. Um homem que se tornou símbolo de resistência popular cearense contra a escravidão. Contribuiu para que o Ceará se tornasse a primeira província a abolir a escravidão.

Cine São Luiz: Da Cor de Fortaleza

Deixe um comentário

DA COR DE FORTALEZA

Cineteatro São Luiz

 

 

Marcada pelo viver artístico e grandes contribuintes dele para o cenário nacional e internacional do fazer cultural cearense, Fortaleza abriga prédios e variados patrimônios que revivem costumes e consolidam histórias. Longe do turismo fugaz das praias ou dos planos mais visitados da capital cearense, um antigo prédio chama com uma grande fachada fortalezenses e visitantes da grande praça à sua frente.

Existindo há quase 80 anos, o São Luiz privilegia espetáculos de uma seleta programação da Secretaria de Cultura (SECULT) do estado do Ceará. Musicais, festivais e amostras específicas para ocasiões variadas são temáticas para a vasta linha de exibição anual que o cinema traz para o  centro de Fortaleza. Somado a isso, se diferencia dos cinemas convencionais de mercado pela acessibilidade e o conforto oferecidos pelas salas gratuitamente liberadas em sua grade anual de exibição.

Teve sua construção iniciada em 1939 pelo interesse do conhecido Grupo Severiano Ribeiro, hoje atuante sobre a marca Kinoplex de cinemas. O expoente histórico da indústria cinematográfica investiu no centro de Fortaleza o prédio prodigioso que mais tarde se tornaria o maior e melhor cinema do Brasil. O projeto inicial do São Luiz pertence ao arquiteto e urbanista Humberto da Justa Menescal. A decoração tradicional européia da época, com toda a sua vislumbrante art déco, é mérito de Osório Pereira e Marcelino Guido Budini.  Os lustres, principais mais chamativos do hall principal, bem como as faixas e rústicas colunas internas dos corredores, são peças importadas de vários cantos do mundo, mas principalmente de origem européia durante o século XX.

O Cine São Luiz teve a sua inauguração só em 1958. Tradicional como deveria ser, só a mais alta sociedade teve acesso ao interior do que era programada para ser a mais memorável noite de uma exibição cinematográfica já feita em terras brasileiras. O Grupo Severiano Ribeiro, bem como toda a organização da grande noite, colocou em ativa mais de cem funcionários para atender ao que na época se limitava ao número de assentos reduzidos.  Na noite, Anastácia, a princesa esquecida era exibido. Seus lucros foram todos voltados para a Santa Casa de Misericórdia sob a mediação da própria nova governança do cinema.

O cineteatro mais famoso de Fortaleza foi tombado pelo Governo do Estado em 1968 através da lei  nº 9.109 de decreto nº 21.309. Depois de seu tombamento oficial, não demoraria para que os anos seguintes fossem de projeção para um novo São Luiz, revitalizado e mais demonstrativo para a rotina pública do cidadão fortalezense. Com os assentos antigos e a programação menos diversa que a de hoje, o cinema passaria por uma reforma extraordinária que tomaria anos de sua programação.

Hoje, servindo como grande monumento da centralidade de Fortaleza, o Cineteatro São Luiz acomoda um grande público em suas dependências e em sua grade de exibições. Amostras culturais, shows, musicais, concertos, clássicos e maratonas mais informais são exemplos do que a programação livre de hoje faz com o memorável ambiente que não esquece o patrimônio que carrega e o apresenta para os mais jovens com o mesmo encanto que tiveram os mais antigos.

FOTO 15

Imagens: Detlev Costa e Ricardo Teixeira (externas); Felipe Andrade (internas)

Edição: Ricardo Teixeira

Música: Kevin MacLeod (Incompetech)

Professor: Gevan Oliveira

Para prova da unidade 2

Deixe um comentário

Arquivo para prova da Unidade 2,  JOR62 – Jornalismo Online:

Características do Jornalismo Online – Clique para baixar

Lago do Jacareí: Uma opção de lazer e diversão

Deixe um comentário

Narcélio Lima, 38, é um dos vendedores do local.

Diferentemente de muitas praças e locais hoje em Fortaleza que estão praticamente sem vida e abandonados por motivos de insegurança, falta de investimento público e sem opções de lazer, a praça do Lago Jacareí sobrevive contra essa corrente.

O local está presente no bairro Cidade dos Funcionários, exalando um verdadeiro exemplo de lazer e entretenimento para toda a família com várias opções de divertimento e comércio ao seu redor. O comércio inclusive é um dos meios presentes e mais fortes no local com exemplos que vão desde o artesanato, gastronomia e venda de brinquedos, gerando assim uma fonte de renda para essas pessoas que ocupam a praça do bairro.

A presença de artistas na praça também é algo muito frequente, levando assim uma diversão para os moradores do bairro e de pessoas que saem de outros locais para poderem usufruir do local público.  O sucesso da praça, considerado um dos principais “points’ do bairro para os moradores, se dá também pelo pleno desenvolvimento econômico do local.

Sem contar com a bela paisagem do lago que preenche os olhos de quem a enxerga durante todo o dia de quem vai fazer exercícios no espaço. Localizada na Regional VI, a praça foi entregue totalmente reformulada em 2013 como plano de reformulação de espaços da cidade.

O lago faz parte da bacia hidrográfica do rio cocó, com o espelho d’água medindo 1,51 ha e volume de 18.131m³ e sua profundidade rasa de apenas 1,20 metros. O espaço é administrado pela associação de moradores do bairro, a União dos Moradores e Amigos do Lago Jacarey (UNILAGO).

Narcélio Lima, 38, é um dos vendedores que trabalham na pracinha do Lago. Há seis meses ele vende brinquedos para crianças, mas se sente preocupado por não ter conseguido ainda se cadastrar na associação que regulamenta os vendedores no Lago Jacareí. “Ainda não tive como me cadastrar ainda. Gosto de trabalhar aqui, mas como meu produto tá saindo pouco, eu ainda não consegui dinheiro pra me cadastrar”, concluiu.

A história e popularização do do Lago Jacareí começou em 1978, quando o local ainda era conhecido como Sítio Carrapicho e várias famílias já utilizavam o espaço como pólo de lazer, principalmente nos finais de semana. Após algumas mudanças, o local passou-se a chamar Aldeota Sul e muitas famílias passaram a morar ao seu redor, fazendo daquela uma área residencial que existe até hoje. O prefeito da época, Juraci Magalhães, em 1992, decidiu pavimentar e desenvolver a praça.

Apesar do local ter se tornado um verdadeiro ponto turístico da cidade, o lago também sofre com vários problemas. Com o crescimento, desenvolvimento e implantação de casas e residências no local, infelizmente o lago foi sendo agredido ambientalmente, prejudicando a vida de espécies que viviam no espaço.

Então, apesar do Lago Jacareí ter se tornado um grande ponto turístico da cidade, o mesmo sofre muito com questões ambientais e com o crescimento desencadeado da cidade que aos poucos foi agredindo o seu redor. A partir daí, a população em conjunto com a prefeitura começou a buscar uma solução de preservação para todo o entorno do lago.

Galeria de fotos Flickr:
LAGO JACAREÍ//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Older Entries Newer Entries