Messias, zagueiro do América-MG, saindo da delegacia após fazer boletim de ocorrência (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

O goleiro do time paulista Oeste, Rodolfo, foi preso em flagrante ainda dentro de campo neste domingo (01/10) após o jogo conta o América – MG. O jogo terminou com uma acusação sobre o Rodolfo após ele ter chamado o Zagueiro Messias, do América-MG, que afirmou ter sido chamado de “macaco” em jogada dentro de área. De acordo com a Polícia Civil o jogador foi preso e solto em seguida, por volta das 18 horas, após pagar uma fiança de R$ 2 mil.
O goleiro tentou se defender, ainda dentro do gramado, afirmando que também era negro “Eu também sou preto. Eu também sou preto“, falou o jogador. A fiança foi paga pelo clube e segundo o presidente do time, Ernesto García, que esteve acompanhando o caso negou as acusações feita contra Rodolfo.

Messias falou em uma entrevista à rádio Itatiaia que “O goleiro me chamou de ‘macaco’. Isso é uma falta de respeito, cara. Com certeza, vou fazer ocorrência contra esse goleiro aí”.

Segundo o código penal, o crime de injúria pode causar uma pena de reclusão de um a três anos e multa.

Após a passagem pela delegacia, Rodolfo embarcaria para São Paulo, ao lado de outros dois que serviram de testemunhas. O resto do time já havia embarcado, segundo o clube.

No Twitter, o América-MG lamentou o caso. “Perder é ruim, mas inaceitável mesmo é racismo. O zagueiro Messias recebeu injúrias raciais e isso não pode passar!“, disse o clube na postagem.

O time também manifestou em nota oficial:

O América Futebol Clube manifesta sua indignação por conta da injúria racial sofrida neste domingo pelo zagueiro Messias, durante o duelo entre América e Oeste, pela Série B do Campeonato Brasileiro. O Clube repudia totalmente qualquer tipo de discriminação, sobretudo no futebol, um ambiente que deve servir como espaço de diversidade e integração entre as pessoas.

Em sua história centenária, o América sempre prezou pela igualdade e, por isso, apoia Messias em sua decisão levar o fato adiante e tomar as medidas cabíveis. Estaremos ao lado do nosso atleta para oferecer todo o suporte necessário. Entendemos que esse tipo de conduta deve deve ser combatida diariamente no futebol e em toda a sociedade“.

O Oeste se manifestou negando que Rodolfo tenha tido atitude discriminatória e dizendo que Messias pode “ter escutado algo de forma equivocada”.

Nós, do Oeste FC, repudiamos totalmente qualquer tipo de discriminação e garantimos que nosso atleta não teve essa atitude. Rodolfo, de cor negra, é totalmente contra o racismo, além de ser um profissional de conduta exemplar no dia a dia do clube. Leandro Amaro, zagueiro do Oeste e companheiro de Rodolfo, estava próximo aos atletas quando discutiam e garante que o goleiro não usou a palavra “macaco”, afirma que houve sim ofensas, de ambas as partes, mas não foram raciais. Acreditando que não haja má fé na ação de Messias, pensamos que o zagueiro do América possa ter escutado algo de forma equivocada e no calor do momento se exaltou. Acusado, Rodolfo já deu seu depoimento para a polícia“, disse o clube em nota.

Fonte: ESPN; G1;

Anúncios